sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Conto: A Terra seca e a Semente

Paisagens

Certa vez ao passar pelas bandas do interior de São Paulo, terra boa, de gente trabalhadora e hospitaleira,
já cansado de tanto cavalgada, apiei da montaria e fui me refrescar em uma nascente logo ali pertinho. Onde no galinho de uma figueira cantava animado um bigodinho, pássaro pequeno branco e preto que cabe na palma da mão. 
E cantava bonito que só vendo, pude perceber também sua fêmea no ninho tratando dos filhotes empenadinhos.
Vejo uma semente caindo ao chão...era diferente vistosa de aparência saúdavel, germinará com toda certeza.
Refresquei-me e pé na estrada, minha parada final era Jaú, onde me esperavam para um boi no rolete.
 Cheguei comprimentei a rapaziada, paquerei a mulherada, tomei muito chopp gelado e comi a vontade.
No dia seguinte refis o caminho de volta e parei novamente naquele lugar, quem sabe ouviria o bigodinho cantar?
 Esperei por duas horas mais ou menos até tirei um cochilo e nada do bichinho cantar. Lembrei-me do ninho que também havia sumido, com certeza algum gato deu cabo deles todos, aprumei meu chápeu e montei na Tirolesa, minha égua. Reparei que a semente não germinara e que a terra ao redor dela estava ressecada e rachada. Mas como é possível em um lugar tomado de nascentes cristalinas? Embora a semente sendo boa nada nasceria ali... Porquê embora toda a natureza contribuísse, justamente naquele local não havia possibilidade de germinar nadinha que fosse? Sai frustrado, revoltado com a vida, mas não tive ideia de por a semente em outro lugar. Deixei que se cumprisse o destino e sai galopando...Uns metros adiante ouvi o meu bigodinho cantando como nunca, seu peitinho estufado vibrava de tamanha alegria. Sorri satisfeito  ao ver em seu redor outros imitando seu cantar, mas sem tanta destreza como ele "o mestre".
 Segui pensativo mas e a semente que nunca germinaria?
Que desperdício, seria uma árvore a mais para enfeitar de beleza aquela terra tão abençoada.
Por que essas coisas tem que acontecer?


Moral da história; Não podemos mudar o destino, não podemos mudar nossa essência, não podemos seguir por vários caminhos ao mesmo tempo... Mas de uma coisa podemos ter certeza, o que somos é o que realmente importa, pode haver tufões, tempestades, misérias, mas se o seu interior permanecer inabalável, podes tudo. Não importa se o termino é feliz ou infeliz já estas ganhando...pois vives e é isso que torna possível quantos começos quiseres.


                                                                            Eugenia

Nenhum comentário:

Lá vem a vida me convidando para sorrir... Desculpe, estou sem vontade. Lá vem a vida me convidando à dançar... Desculpe, não aprendi ...