domingo, 6 de novembro de 2011

Alguém dá outro nome pra ele?

Não procuro o amor ideal, procuro apenas um sincero  
Não espero que seja perfeito, apenas que me salve...
Não quero sufocá-lo, causando dor e sofrimento 
Desejo que seja livre, que voe para onde quiser, mas que volte 
Volte pra mim, livre e feliz, como o tudo deve ser!
Assim é o amor, fiel em seus sentimentos, 
Completo nas virtudes, abrasador nos sentimentos, 
Delicados nas atitudes, ouvinte nas tempestades,
Herói nas catrástofes, réu nas disputas, culpado nos confrontos 
e em todos esses casos continua sendo único e insubstituível. 
O incompreendido (Amor)!



Nenhum comentário:

 Olhem lá, a mãe abandonou a filha na rua... Um espetáculo digno dos dias que vivemos! Sejamos sinceros, quem aqui já não abandonou algué...