sexta-feira, 11 de março de 2011

O Inverno do meu tempo


Surge a alvorada

Folhas a voar

E o inverno do meu tempo

Começa a brotar
A minar

E os sonhos do passado

Do passado estão presentes

No amor que não envelhece jamais

Eu tenho paz E ele tem paz

Nossas vidas

Muito sofridas

Caminhos tortuosos

Entre flores e espinhos demais

Já não sinto saudades

Saudades de nada que fiz

No inverno do tempo da vida

Oh! Deus! Eu me sinto feliz.

Cartola e Roberto Nascimento

Nenhum comentário:

 Olhem lá, a mãe abandonou a filha na rua... Um espetáculo digno dos dias que vivemos! Sejamos sinceros, quem aqui já não abandonou algué...