sábado, 24 de setembro de 2011

O vento Minuano



Flores



O Vento Minuano

Quando o minuano sopra sem parar
Apagando a luz do candeeiro
O Gaúcho põe-se a galopar
Nas campinas verdejantes do Rio Grande inteiro.

O seu galope é sentido no peito e na mente
Do mais requintado ao mais humilde continentino
Que tem a sensação da liberdade incessante
Na sua alma indomável e no seu coração libertino.

E o vento minuano vem trazendo
As mais singelas lembranças
Do tempo da adaga e da lança
Onde a honra e a glória ficaram como herança.

 
Don Juan
21/07/2010

Nenhum comentário:

 Olhem lá, a mãe abandonou a filha na rua... Um espetáculo digno dos dias que vivemos! Sejamos sinceros, quem aqui já não abandonou algué...